• ENEGE

Nota sobre o sucateamento das Universidades Federais

Não é de hoje, nem de ontem que buscam ridicularizar a realidade nas instituições públicas de ensino superior. Neste momento de extrema necessidade da população brasileira por auxílio e resultados no combate ao Coronavírus, ao contrário do Governo que demonstrou uma postura de completo descaso com a saúde pública, as universidades federais deram a resposta necessária do porque é indispensável o investimento em pesquisa científica, e ainda assim sofremos mais um ataque por parte do poder executivo.


Um levantamento realizado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) revela que o orçamento anual do Governo Federal, aprovado pelo Congresso Nacional em março de 2021 e em seguida assinado pela Presidência da República em 22 de abril, levou ao corte de R$ 1 bilhão do orçamento das Universidades Federais para 2021. Dentro desse orçamento, R$177 milhões foram cortados da assistência estudantil, que é destinada à parcela de estudantes em situação de baixa renda. Como é possível ajudar na permanência de alunos menos favorecidos dentro das universidades, se o próprio Governo vem inviabilizando isso?


A base da produção científica brasileira é a classe estudantil, através dos constantes cortes orçamentários vemos a renúncia da sua evolução. Sabemos que os primeiros a serem afetados são os discentes, pois existe a necessidade de assistência, tanto através de bolsas e auxílios, que são drasticamente diminuídos, como também em relação a boas condições de trabalho.


Estudantes de 69 universidades federais do país serão afetados, dentre eles estamos nós, estudantes de Geologia. A ENEGE vem por meio desta nota demonstrar toda a sua insatisfação e repúdio em relação ao persistente sucateamento das universidades, que vem ocorrendo ao longo dos últimos anos e sempre fez parte do plano do atual governo. A quem interessa o desmonte do ensino superior no Brasil? Há tempos já sabemos a resposta, mas já passou da hora de nos mobilizarmos. Executiva Nacional dos Estudantes de Geologia

7 visualizações0 comentário